Para compreender o conceito e a metodologia do TEAR é fundamental entender a força da construção de uma narrativa.


"Para Jerome Bruner (1990) as narrativas seriam um modo específico de construção e constituição da realidade que compõe um conjunto de regras do que é aceito, ou não, em determinada cultura. Ele se baseia em alguns pressupostos da psicologia cultural, principalmente na necessidade de enveredarmos por uma abordagem mais histórica e interpretativa.
 

Contudo, vai além destes pressupostos e apresenta como a "realidade" é construída: pela narrativa, que media a própria experiência e configura a construção social da realidade, o que também inclui a subjetividade, sempre relacionada com o discurso comunicativo.”


Para Brockmeier e Harré (2003), a utilização geral do termo narrativa denomina um conjunto de estruturas lingüísticas e psicológicas transmitidas cultural e historicamente, delimitadas pelo domínio individual de cada um, mas combinadas com as técnicas sócio-comunicativas, bem como a linguagem, adquiridas socialmente. Através das narrativas reconstrói-se a experiência refletindo sobre o vivido e dando significado ao sucedido."

Fonte (Educação & SociedadeOn-line version ISSN 1678-4626Educ. Soc. vol.32 no.114
Campinas Jan./Mar. 2011)


Estes autores afirmam que as palavras nunca são proferidas apenas pelo indivíduo, elas são articuladas a partir de várias narrativas particulares, a partir de pontos de vista específicos, determinadas em certo contexto e por certas vozes.